Ânsia

Eu tenho ânsia de vida
E vivo com ânsia,
Ânsia de vômito,
Ânsia de encontro,
Ânsia de reencontro,
Ânsia de carinho,
Ânsia de seguir algum caminho,
Ânsia de ter um destino,
Ânsia de tu,
Ânsia de mim,
Ânsia de nós, 
Ânsia de ânsia,
Ânsia de vingança,
Ânsia de ser sempre uma criança,
Ânsia de me ter,
Ânsia de te ter,
Tenho ânsia de tudo,
Tenho ânsia de viver.
 
-Ana Beatriz Marques
15/02/2018 (quinta)
11:21

2 thoughts on “Ânsia

  1. Mana, o Raymond Carver tem um poema que vai na mesma vibe que o teu, mas em vez de “ânsia de..” ele repete incessantemente o “Medo de..”. Em vez de fazer uma crítica propriamente dita, me limito a reproduzir o poema do Carver. Repare como ele consegue transformar um monte de frases triviais e cotidianas num poema estranhamente expressivo (“sufocante”, eu diria). Tente isolar um verso e verás que ele não se sustentará sozinho. Típico poema estruturado para ser uno, indivisível: cada parte é essencial para o conjunto — e a parte só tem valor dentro do conjunto.
    Enfim, aprenda com os melhores. ; D

    MEDO
    Medo de ver a polícia estacionar à minha porta.
    Medo de dormir à noite.
    Medo de não dormir.
    Medo de que o passado desperte.
    Medo de que o presente alce voo.
    Medo do telefone que toca no silêncio da noite.
    Medo de tempestades elétricas.
    Medo da faxineira que tem uma pinta no queixo!
    Medo de cães que supostamente não mordem.
    Medo da ansiedade!
    Medo de ter que identificar o corpo de um amigo morto.
    Medo de ficar sem dinheiro.
    Medo de ter demais, mesmo que ninguém vá acreditar nisso.
    Medo de perfis psicológicos.
    Medo de me atrasar e medo de ser o primeiro a chegar.
    Medo de ver a letra dos meus filhos em envelopes.
    Medo de que eles morram antes de mim, e que eu me sinta
    [ culpado.
    Medo de ter que morar com a minha mãe em sua velhice,
    [ e na minha.
    Medo da confusão.
    Medo de que este dia termine com uma nota infeliz.
    Medo de acordar e ver que você partiu.
    Medo de não amar e medo de não amar o bastante.
    Medo de que o que amo se prove letal para aqueles que amo.
    Medo da morte.
    Medo de viver demais.
    Medo da morte.
    Já disse isso.
    – Raymond Carver

Deixe uma resposta