O que falar sobre Riordan?

Uma discussão em torno de Percy Jackson

Para começar a conversa, queria saber o que vocês acham das relações intertextuais entre de textos modernos e antigos. Acho que não dá para negar que o Percy Jackson, de Rick Riordan, é um expressivo exemplo de literatura com uma grande carga de intertextualidade. Quem conhece a série deve saber que Percy é um semideus e que, bem como Perseu, é filho de Poseidon. Enquanto semideus, Percy, assim como Harry Potter, precisa desenvolver suas habilidades de heroi, então, ele vai a um lugar, que paralelamente a Hogwarts, o auxilia com isso. Não é essa a única semelhança entre os queridinhos das séries de fantasia: bem como o bruxo de Rowling, o semideus de Riordan possui dois amigos com quem pode sempre contar, Percy tem Grover, um sátiro e Annabeth Chase, outra semideusa, filha de Atena. Como Percy, Annabeth tem dislexia. Será isso por acaso? Acho que não, e você? No primeiro livro da série, “O ladrão de raios”, Percy é suspeito de roubar um raio de um deus muito poderoso. Daí em diante, ele se envereda com os amigos em uma aventura cheia de perigos e de referências mitológicas. E o melhor, (ou não, pois é você quem vai dizer), é que tudo se passa na atualidade, nos Estados Unidos. E aí, você já leu algum livro ou capítulo da série? Como foi? Quais são as suas críticas à obra de Riordan? #Percyeosolimpianos #mitologia #série #literatura

5 thoughts on “O que falar sobre Riordan?

  1. Riordan e J.K. Rowling são duas pessoas que não se pode confiar. Percy Jackson terminei a alguns dias e me arrependi. Metade dos chalés morre e ficou um porre tudo. E a J.K. o que dizer? Ela ama matar os melhores personagens e deixar a rapa da panela para nós. Mas choremos porque o livro é dela e não temos opções além de fanfic´s de nós pobres fãs em total devoção a grandes escritores como esses dois.

  2. Nunca li Percy Jackson nem Harry Potter, porém tenho uma pré adolescente em casa que ama a ambas as sagas. Não vejo problema na
    intertextualização, muito pelo contrário, acho que pode despertar interesse em assuntos que vão além do próprio livro. Pelo menos aqui em casa despertou! Minha filha adora o tio Ricky, como ela diz, tanto que tem além dos livros de mitologia grega os de mitologia nórdica e egípcia também. Acho que é um outro olhar sobre um assunto que é estudado na escola e que, às vezes, não gera um interesse muito grande nas crianças e que, através dos livros dele, de forma lúdica acaba por despertar.

Deixe uma resposta