Reflexão

“Tudo que não é literatura me aborrece”

F.Kafka.

Essa paráfrase remete-me a uma reflexão continua, pois a mesma sensação que o autor tem a respeito da literatura, eu a mesmo tenho. Deijo essa reflexão para vocês, o que acham?

Livros que Viraram Filmes e talvez foram injustiçados (ou não)

As pessoas incriminam tanto os filmes, ok alguns realmente ficaram muito ruins, porém vou postar aqui fazendo um review de alguns dos livros que pararam nas telinhas tais como: A Culpa É Das Estrelas, Jogos Vorazes, Harry Potter, entre outros livros(nem todos) maravilhosos que foram apresentados nos cinemas e talvez não tenham ficado tão bem.

A Culpa É Das Estrelas – Vamos começar com esse livro que virou filme, porque meus amores…para mim o livro não rolou, li para um trabalho escolar mas ficou nisso. Admito o filme rendeu mais lágrimas e atenção do que o livro. Então sou totalmente meio termo, o filme vale a pena, mas não recomendaria o livro, sorry para os que gostam dele mas foi o único do John que não foi para frente.

 

Jogos vorazes – Nesse minha expectativa foi quase lá. Foi colocada muitas coisas que não existiam ou adicionaram falas desnecessárias, como nos momentos finais. Mas seguindo por outros filmes que foram baseados em livros esse eu tenho certeza que superou a expectativa de muita gente já que a arena foi bem bolada como nos livros, faltou alguns combates internos ali, mas é claro que nem tudo daria para ser colocado e poderia ter mais a “invenção” (quem leu vai entender) do romance mais “comentado” dentro do universo.

 

Harry Potter e a Pedra Filosofal – Eu, eterna potterhead, tenho que admitir que esse livro foi maravilhoso e o filme foi bem representado, claro que faltou um pouco de características dos personagens descritos no livro mas de resto foi algo realmente sensacional. Claro que faltou coisas como: a festa do Nick-Quase-Sem-Cabeça, o Pirraça (em todos os filmes aliás), personagens que ficaram bem desfalcados e que deveriam aparecer mais (em todos os filmes).

 

Cidades de Papel – Para mim foi um livro ótimo mas no entanto o filme foi uma coisa que ficou ruim. Faltou o post it da Margo “sua amizade com mArGo roTh sPieGelmAn dorme com oS peixes”, a chupada na perna da Margo feita pelo Quentin, a raiva da Margo peLo prEcOnceitO  de somente as letras iniciais recebam as letras maiúsculas e por isso escreve tudo mEio aSsiM e o final, com aquela cena espetacular da Margo convidando o Q para sua jornada sem fim.

 

Percy Jackson e o Ladrão de Raios – Esse pode ser esculachado, por favor! Que filme bem ruim, convenhamos, a história é ótima, com uma história fantástica (poderia ser mais desenvolvida em algumas coisas) mas que se perdeu totalmente nos 2 filmes da saga e que teremos em breve um novo filme ( se assim a Disney seguir o baixo assinado dos fãs) e veremos.

 

Os livros/filmes de hoje são esses, se gostou e quer uma parte 2 em breve comente e diga os livros que viraram filmes que você quer ver criticados aqui.

Um beijo a todos e ficamos por aqui!

Tag de 20 livros perfeitos para:

Gente vai ter livros do Wattpad, físico e e-book porque é cada pérola que encontramos em nosso dia-a-dia que senhores do vento..

  1. Um livro para se apaixonar: Como Seduzir um Conde
  2. Um livro para chorar: Nós Duas e ELA
  3. Um livro para rir: Como Sobreviver a um Apocalipse Zombie, Com a sua MÃE!
  4. Um livro para explanar: 281 Dias para Recuperar um Sorriso – Novembro
  5. Um livro com um ótimo enredo: Madrinha Outra Vez
  6. Um livro para ler em um dia: Beijos de Vampiro
  7. Um livro de drama: Quem é você, Alasca?
  8. Um livro de suspense e ação na medida certa: A Maldição do Lobisomem
  9. Um livro que merece ser mais visto: A Menina Feita de Espinhos
  10. Um livro para deixar o gosto de quero mais:  Hall Of Fame
  11. Uma fanfic deliciosa: Hydra Malfoy
  12. Uma editora dos sonhos: DarkSide Books
  13. Um livro para curar o coração machucado: Como não se Apaixonar por um Duque
  14. Um livro que você leu virtual mas sonha em te-lo na estante: Pichadores
  15. Um livro caro: Ed e Lorraine Warren
  16. Um livro barato: Fanny
  17. Um livro que todos gostaram menos eu: A Culpa é das Estrelas
  18. Um livro que me traz boas lembranças: Cidades de Papel
  19. Um livro que eu emprestei e não foi devolvido: O Lar da Sir. Peregrine
  20. Um livro que traz paz e esperança: Nunca Desista dos seus Sonhos

4 livros para sairmos da nossa zona de conforto!

Resultado de imagem para zona de conforto

 

Kafka uma vez disse que “Apenas deveríamos ler os livros que nos picam e nos mordem. Se o livro que lemos não nos desperta como um murro no crânio, para quê lê-los?

Apresento-lhes nesse poster 4 livros para vocês saírem de sua zona de conforto!

 

1- Reportagens, Joe Sacco

A primeira dica é na verdade a HQ Reportagens do jornalista e quadrinista Joe Sacco. Nesse livro/HQ Joe fez um compilado de matérias jornalisticas, fruto do seu trabalho de anos como correspondente de guerra. São histórias de refugiados africanos em Malta, de viúvas Chechenas, de contrabandistas palestinos, de criminosos de guerra e de suas vítimas. Há também relatos de uma incursão com o Exército americano no Iraque, em que ele vê de perto a miséria e os absurdos da guerra.
Reportagens apesar de ser de cunho jornalístico, traz através dos traços a linha de frente dos conflitos e do sofrimento das vítimas, de forma humana e sensível todas essas histórias, também evidenciando a empatia do autor/jornalista pelos entrevistados.

Joe já um nome grande dentro desse universo, sendo até mesmo apontado como o precursor do que eles chamam de “jornalismo em quadrinhos”, ou seja, essa obra merece toda atenção por parte dos leitores, principalmente os já acostumados com esse tipo de narrativa.

2- Ainda Estou Aqui, Marcelo Rubens Paiva

Marcelo é muito conhecido pelo livro Feliz Ano Velho, onde relata o seu acidente de carro que o deixou paraplégico. Em Ainda Estou Aqui, que também é um livro de memórias o autor conta não só a sua, mas a história da família Rubens Paiva como um todo, passando pela infância, juventude, e mais especificamente na época do Golpe de 64 até a instauração da Ditadura Militar. Seu pai era o deputado Rubens Paiva, que nessa época foi cassado, exilado e então preso posteriormente, juntamente com a sua esposa Eunice Paiva e a filha mais velha deles, logo depois “desapareceu”.

Essa é uma daquelas leituras que se fazem necessária, pelo fato de também contar sobre um importante período da História do Brasil. Além disso, Marcelo fala de todas as dificuldades que a família enfrentou, buscando pistas sobre o desaparecimento de Rubens Paiva e todas as questões espinhosas que estão no pacote quando se fala de Ditadura Militar. Marcelo também conta sobre como Eunice paiva lidou com tudo isso e a luta dela contra o Alzheimer.

3- Depois de Auschwitz, Eva Scholoss

Esse é daqueles que não dá pra segurar a emoção!
Já nos comovemos muito com O Diário de Anne Frank e mesmo quem ainda não leu certamente já ouviu falar de como é uma história triste não é mesmo?! Em Depois de Auschwitz nós conhecemos a história da Eva, que sobreviveu ao campo de concentração. Ela ficou conhecida como a “irmã póstuma” da Anne, isso porque a mãe dela (e também sobrevivente) se casou com Otto Frank, o pai da Anne, um pouco depois da Guerra.

Eva conta um pouco da sua trajetória de vida, sua infância na Áustria com seus pais e o irmão, logo depois ela detalha os momentos como refugiada na Bélgica, e então na Holanda onde morou algum tempo antes de ser capturada pelos Nazistas. Já sob o poder Alemão, ela foi mandada para o Campo de Concentração de Auschwitz-Birkenau, conhecido como o mais brutal. Daí, como o próprio título sugere ela conta sobre o período em que passou lá e logo depois da Guerra, como sobrevivente, do que teve que fazer para reconstruir sua vida. Algumas informações foram inéditas pra mim com relação a vivencia nos campos, sobretudo o pós-guerra e também me revelou um pouco sobre os Frank, pois como Otto virou seu padrasto o legado da Anne também tornou-se presente e parte da vida dela.

4- Para Poder Viver, Yeonmi Park

Este livro é a história da luta de Yeonmi Park, na temida e cruel Coreia Do Norte. Ela conta desde a sua infância no país mais sombrio do mundo. Logo depois narra sua fuga, aos treze anos, pelo submundo chinês de traficantes e contrabandistas. Emociona-se com seu périplo pela China através do deserto de Gobi até a Mongólia, guiada pelas estrelas, em direção à Coreia do Sul. Vibra com seu papel como ativista pelos direitos humanos. Antes dos 21 anos, Yeonmi acumulou experiência suficiente para encantar todas as gerações de leitores neste livro memorável.

Frete: O Obstáculo Para Muitos Leitores

Olá pessoal, tudo bem? Estou aqui para um desabafo. Sou uma ávida leitora. Apaixonada pelo ato de ler porém, também viciada na arte de comprar e escolher livros. Sou o tipo de pessoa que passa horas nos aplicativos e sites de livrarias e sebos descobrindo novas leituras procurando sempre pelos melhores preços por aqueles livros que almejo tanto.

Continue reading “Frete: O Obstáculo Para Muitos Leitores”

 Bibliofilia

Bibliofilia

bibliofilia (grego: biblion, livro, e philia, amor), segundo o verbete de Aurélio Buarque de Holanda, consiste na arte de colecionar livros, tendo em vista circunstâncias especiais ligadas a sua publicação. No entanto, são essas duas palavras, “circunstâncias” e “especiais”, que mais despertam dúvida e mais oferecem lugar a divagação. Popularmente, denominamos de “bibliófilo” aquele que costumar ler com muita frequência. O historiador português João José Alves Dias define um bibliófilo simplesmente como “aquele que ama os livros”

Não se deve confundir a bibliofilia com a bibliomania, que consiste em uma desordem obsessivo-compulsiva em que a pessoa passa a adquirir livros desenfreadamente, não necessariamente com intenção de lê-los, trazendo complicações para sua vida.

Você conhece ou é uma pessoa assim?

Book Tag Eu Nunca

 

1 – Um livro que todo mundo leu e eu nunca:
Qualquer livro do Joãozinho Verde (John Green, hehe)

2 – Eu nunca li algo tão maravilhoso:
Qualquer livro da Gillian Flynn ou Sidney Sheldon, são meus escritores favoritos do universo.

3 – Eu nunca imaginei que iria até o final:
Livros do George R.R. Martin, e não por serem ruins, são maravilhosos! Mas a diagramação é pra matar qualquer um.
4 – Eu nunca vou terminar isso:
Saga 50 tons. Parei no 3, odiei.
5 – Eu nunca vou me arrepender de ter lido isso:
Saga Harry Potter. Pode passar o tempp que for, sempre será meu amorzinho.
6 – Eu nunca faria isso:
Eu acho demais as atitudes da Rose Hathaway de Academia dos vampiros, mas nunca teria tanta coragem, mas queria…

7 – Eu nunca queria ter que admitir que li isso:
Se eu pudesse apagar “50 tons” da minha memória, eu faria isso. Realmente acho péssimo, mas um abraço pra quem gosta 😅

8 – Eu nunca li algo tão fofo na minha vida:
Recomeço, da Patrícia Fialho segue sendo um dps livros mais amorzinhos que jái na vida.
9 – Eu nunca ri tão alto lendo um livro:
Um Trabalho Sujo, é um livro em que o cara vira a morte. Eu chorava rindo.
10 – Eu nunca poderia ter sobrevivido a minha infância sem esse livro:
Te amo daqui até a lua e Menina nonita do laço de fita são certamente meus favoritos infantis .

O que acharam? Já leram algum?

Resenha crítica: Corte de Espinhos e rosas

Resenha crítica

Resultado de imagem para trilogia corte de espinhos e rosas

Título: Corte de espinhos e rosas

Escritora: Sarah Janet Maas

Editora: Galera

Gênero: Literatura fantástica

Data de publicação: 5 de maio de 2015 (EUA0

Título original: A Court of Thorns and Roses

No primeiro livro da trilogia temos a história da adolescente Feyre Archeron que vive em um mundo com uma muralha mágica dividindo os humanos de criaturas mágicas, os feéricos. Após seu pai, um ex mercador, perder a riqueza e se mudar para uma aldeia, a jovem aos seus onze anos de idade aprende a caçar para poder sustentar sua família que não estavam dispostos a abandonar a vida antiga. Aos dezenove anos de idade após matar um feérico tudo muda completamente e ela terá que pagar uma vida pela outra e enfrentar o misterioso mundo dos Feéricos, Prythian.

O exemplar é dividido em 46 capítulos com ao todo 431 páginas. Foi publicado pela Editora Galera no Brasil dia 22 de agosto de 2015 e tem em seu texto o foco narrativo de narrador personagem, ou seja, é escrito em primeira pessoa, sendo contado por Feyre. A capa também pode te chamar muito a atenção, do primeiro ao terceiro livro.

A obra começa com a personagem caçando na floresta após longos dias passando fome até que ela acha uma corça e um lobo. Com seu arco e flecha e os anos de treinamento- apenas observando os ostros caçadores- ela mata os animais. Mais tarde no chalé pequeno de sua família, uma besta enorme e feérica arranca a porta perguntando o responsável pela morte de seu amigo e Feyre se entrega para poder salvar suas irmãs, recebendo proposta de ficar vivendo no mundo daquelas criaturas ou morrer.

Ela teria que dar a sua vida para compensar o que tinha feito e ter que viver em Prythian- que ela só conhecia através de lendas. Em seguida Feyre descobrira que aquele mostro horrível era Tamlin o grão senhor de sua corte, um rapaz louro de olhos verde e uma máscara que não sai de seu rosto.

Tudo naquele mundo era diferente: tinha mais cores, casas grandes por todos os lugares, flores espalhadas, era a Corte Primaveril. Existiam 7 cortes atrás da muralha e todas são governadas por grãos feéricos que eram a autoridade máxima daquele lugar.  Ao ter que viver em uma mansão, sem se humilhar ou deixar o medo vencer, junto com o ser mais poderoso daquele lugar ela acaba se apaixonando e descobre um segredo sobre uma maldição que aterroriza aquela terra junto com seu povo por anos.

O livro foi escrito para adolescentes maiores de 16, mas eu recomendo 12 para cima. É intrigante do começo ao fim; não tem enrolação ou coisas que te façam desistir do livro na metade, nada disso. O final é definitivamente inesperado e incrível. A inspiração inicial de Sarah, o que você pode notar, é que a história é baseada em A Bela e a Fera e tem uma mistura com Game Of Thrones. Todos os capítulos são bem descritivos e contém personagens que fazem com que a história não seja sem graça: Lucien e seu jeito sarcástico.

O desfecho é o melhor possível e quebra todas as suas expectativas, fazendo com que o segundo livro seja melhor que o primeiro. O preço do livro pode depender do lugar onde você compre, mas já dito antes, com certeza vale a pena, porque além de te trazer mais uma ressaca literária no fim, vai te ensinar que nem sempre as coisas são o que dizem ou o que aparentam ser.

Sarah J. Maas também é a escritora da tão conhecida série Trono de Vidro, que tem 8 livros, onde tem muito em comum com Corte de espinhos e rosas: os feéricos, magia, o tempo em que se passa (medieval) e o empoderamento feminino. A literata começou a escrever com 16 anos, ganhando vários prêmios aos anos e faz sucesso com seus livros até hoje. Ela pretende lançar mais livros para frente e nós leitores vamos esperar ansiosamente.

Você já leu essa maravilha? 

Booktubers e influenciadores

Eu quando comecei nesse universo da leitura, muitas vezes comprei um livro apenas por causa da capa, porque queria apenas enfeitar minha estante, com o tempo fui descobrindo qual era meu tipo preferido de leitura. Mas um belo dia vasculhando o Youtube, descobri uma Booktuber e assisti diversos vídeos dela num único dia, vendo resenhas, indicações de livros e opiniões, e agora faço listas imensas dos livros que vou comprar.

As minhas preferidas são a Karine Leôncio do KabookTv e Bel Rodrigues, que além que booktuber é escritora, mas tem muitos outros.

E vocês? Utilizam desses recursos para saber sobre os livros?

Me contem…

 

Resenha Belle

‘Belle’ tem o potencial de ser muito mais, mas a escrita sem brilho, as reviravoltas intermináveis ​​e o personagem principal completamente desagradável tornaram a leitura tediosa.⠀
O assunto é interessante e incomum, mas Belle como o personagem principal o arruina para mim. Sua irritante ingenuidade e vontade de divulgar sua história para quem ela conhece parece fora do personagem para alguém que já passou por isso em uma idade jovem. Além disso, suas muitas tentativas fracassadas de escapar se tornam irritantes depois de um tempo.⠀
A mãe de Belle, Annie, mencionou que garotas jovens raramente são forçadas à prostituição, e poucas superaram o trauma mental e emocional. No entanto, Belle não parece ter mudado nem um pouco. Ela é bem plana e estática como personagem.⠀
Outra coisa que eu achei irritante foi que toda vez que Lisette é mencionada, Pearse tem que trabalhar no fato de que as vidas de Lisette e seu filho estarão em perigo … etc. fica entediante depois da segunda ou terceira repetição.⠀
O estilo de escrita de Pearse aqui não está cortando para mim (embora eu possa estar errada, porque eu ainda não li nenhum de seus outros romances). Embora eu não seja um grande fã desse tipo de livro, isso não tem tempero nem sutileza. É diálogo bastante suave para um assunto tão emocionante.⠀
Francamente, eu acho que o cenário de Nova Orleans foi o melhor entre os outros lugares no romance, e talvez se a história fosse centrada lá com foco nos personagens mais experientes como Etienne, Lisette e Noah, teria me sentido mais envolvida com a história.⠀

———————————————————————————–
E vocês já leram? Me contem o que acharam desse livro.